por anderson-silva-carvalho-freire

06 nov 2014

Como ter uma rede Wi-Fi de alta performance

Wi-Fi-Teltec2Uma rede Wi-Fi de alta performance é elemento crucial para tornar os locais de trabalho e de aprendizado mais produtivos. Empresas que querem incentivar o uso de dispositivos móveis entre seus colaboradores (BYOD ou não) e escolas que sentem a necessidade de oferecer novas experiências em ambientes multimídia devem investir em uma infraestrutura de rede que suporte uma grande quantidade de dispositivos usando aplicações de vídeo e voz simultaneamente.

Mas como avaliar se a rede wireless é de alta performance?

Cada caso é um caso. A performance da rede Wi-Fi depende da disposição e da quantidade de dispositivos que irão acessar a rede, do tipo de conteúdo que será acessado e da quantidade de interferências contidas naquele ambiente.

Por isso, a proposta aqui é mostrar quais os principais fatores devem ser analisados, quais cuidados devem ser tomados no momento da construção da rede e quais tecnologias disponíveis podem ser utilizadas para obter uma rede wireless de alta performance que entregue uma boa experiência de navegação aos seus usuários. Vamos aos pontos:

Tratar os problemas com Jitter

Jitter é uma variação no atraso do recebimento de pacotes que resulta em dados recebidos sem sincronia ou “fora da ordem”. Normalmente, esse problema é causado por conta de interferências, e é especialmente grave para aplicações que fazem uso de vídeo e áudio, pois fragmenta e distorce a informação. Uma rede Wi-Fi de alta performance não deve sofrer esse tipo de problema.

Para minimizar isso, podem ser utilizadas ferramentas de controle de chamadas conhecidas como CAC (do inglês Call Admission Control), que gerenciam o número de chamadas ativas de forma simultânea na rede Wi-Fi e garantem que a qualidade de serviço (QoS) seja mantida.

Mitigar interferências

Outra dica para garantir alta performance é mitigar as interferências, que podem ser causadas por outros pontos de acesso que estejam próximos e até por eletrônicos como fornos microondas, telefones sem fio, Bluetooth e até mesmo controles de Xbox. Essa minimização dos efeitos causados por interferências deve ser realizada pelo próprio access point, analisando de forma automática a intensidade do problema e tratando-as sem prejuízo aos clientes conectados. Geralmente, os pontos de acesso com essa tecnologia realizam as análises por meio de chipsets ou rádios dedicados.

Gerenciar a transmissão de pacotes com vídeo

Na rede wireless, o ideal é que a transmissão de streaming de vídeo seja feita via unicast. Para quem não está familiarizado, há três formas de transmissão de dados (independentemente se a rede é cabeada ou não):

  • Unicast – os pacotes de dados são enviados de um host para outro específico, ou seja, há apenas um emissor e um receptor;
  • Multicast – quando os pacotes são enviados para um grupo específico de dispositivos;
  • Broadcast – as informações são enviadas de um emissor para todos os outros receptores disponíveis na rede.

Isso porque a rede Wi-Fi funciona como um “hub”, e tudo é tratado a partir de unidades de tempo. Cada dispositivo precisa aguardar seu momento para transmitir os dados. Pacotes de streaming de vídeo normalmente utilizam multicast que, na rede wireless, tornam-se pacotes broadcast, afetando assim a transmissão de todos os dispositivos que estejam conectados na mesma célula e consequentemente reduzindo a performance da rede.

Para garantir uma rede de alta performance, é importante possuir uma solução que envie os pacotes multicast apenas para os dispositivos que de fato necessitem recebê-los, via unicast. É mandatório gerenciar aplicações que trafegam na rede, como Youtube e BitTorrent, e definir um limite de banda para elas. O administrador de redes precisa ter visibilidade do que está sendo acessado na rede para limitar e controlar o tráfego.

Ficar de olho nos novos padrões de rede

Vários dispositivos de rede já estão adotando o padrão IEEE 802.11ac. Esse padrão, que está sendo chamado de “gigabit Wi-Fi”, permite alcançar uma velocidade (data rate) de até 1.3 Gbps (gigabits por segundo) e velocidade real de 910 Mbps (megabits por segundo). Isso é nove vezes mais rápido que as redes Fast Ethernet ainda encontradas em muitas empresas.

Esse padrão opera somente na faixa de frequência de 5 Ghz, (que atualmente é onde há menos interferência e mais canais disponíveis), e a previsão é que este padrão consiga alcançar velocidades de até 6.9 Gbps no futuro.

Outra boa notícia é que os equipamentos no padrão 802.11ac são compatíveis com redes 802.11a/n em 5GHz e a maioria também possuem rádios em 2.4GHz capazes de operar com os padrões antigos (IEEE 802.11b/g/n). A frequência de 5GHz é a mais recomendada para ambientes com alta densidade de usuários e que demandam maior performance.

Aliás, para permitir a utilização de toda a capacidade do padrão 802.11ac, há fabricantes lançando access points com memória e processamento dedicados para cada um dos rádios internos. Com isso, o ponto de acesso consegue processar mais pacotes por segundo (pps). Enquanto no padrão 802.11n o equipamento processava cerca de 30 mil pps, no padrão 802.11ac o volume pode ultrapassar 75 mil pps.

Se surgirem mais dúvidas sobre rede Wi-Fi de alta performance ao longo desta leitura, fique à vontade para nos enviar perguntas na área de comentários.

Foto: Reprodução/ProfissãoHoteleiro.



Acompanhe nossas novidades nas redes sociais!