por admin

22 maio 2018

Qual suite é a ideal para a sua empresa? Google ou Microsoft?

Tenho a oportunidade de conversar praticamente todos os dias com as pessoas que estão à frente de empresas de todos os tamanhos/segmentos e quando chegamos ao assunto de qual suite preferem utilizar, sempre surge uma série de dúvidas acompanhadas de informações desencontradas. O resultado acaba sendo a clássica pergunta: “Será que estou utilizando a melhor ferramenta para o meu cenário hoje? É realmente o melhor custo x benefício?”

Pensando nisso, resolvi fazer uma pesquisa rápida e mais objetiva sobre os principais pontos de cada solução (Google / Microsoft), apresentando da forma mais imparcial possível e ajudando a concluir sem muito mistério qual delas seria a mais indicada para cenários diversos. Como nem sempre temos muito tempo para ler tudo o que queremos, fechei esse texto com algumas poucas linhas que resumem o desenvolvimento. Então, estando com pouco tempo, pode ir sem medo para o final! Dito isso, vamos lá:

 

O que há em comum entre elas?

 Apesar das diferenças que vamos ver durante esse bate-papo, as duas gigantes oferecem um pacote básico bastante comum. As principais similaridades são:

 

  • E-mail com domínio personalizado. Nada muito complexo, mas importante ressaltar.
  • Storage Online com possibilidade de sincronismo com as máquinas locais. É importante comentar que apesar de ambos contarem com um bom volume de armazenamento nas licenças, existe uma diferença significativa entre elas, que é o espaço compartilhado. Nas licenças Office o espaço é dedicado ao Drive e na Google o storage é compartilhado com os e-mails. Ou seja, usando como exemplo a licença Business Essentials (MSFT), que é bastante comum para Small Business, você terá 1 TB de espaço dedicado para o Drive e 50 GB somente para o e-mail, ao passo que uma licença similar na Google (G Suite Basic), você terá 30 GB compartilhado entre os dois.
  • Versões Web. Ambas contam com versões leves, que funcionam online.
  • Edições em múltiplos formatos de arquivos. G Suite consegue, sim, abrir documentos vindos do Office, porém com alguma limitação quando o assunto é reprodução de macros e/ou edições, ocorrendo, por exemplo, perdas na formatação.
  • Em se tratando de comunicação, ambas oferecem soluções bastante completas com o Skype for Business ou Hangouts. Com elas você vai poder compartilhar tela, realizar chamadas de video e/ou voz internas/externas e, claro, salvar as conversas na nuvem. A diferença principal, talvez, seja a capacidade de integração do Skype for Business com a telefonia local, o que pode gerar uma economia expressiva nas contas da empresa. Além disso, as reuniões são limitadas a 250 usuários conectados ao mesmo tempo com o Skype, enquanto no Hangouts existe um número consideravelmente menor, de 25 participantes conectados simultaneamente.

 

E as diferenças?

  • No 365 temos uma gerência individualizada. É possível customizar acessos tanto às aplicações do pacote, entregando os aplicativos que compõe cada licença de acordo com a necessidade, quanto às features/recursos internos das aplicações, ao integrar, por exemplo, com o AD. Ou seja, você pode limitar não apenas o acesso a um certo aplicativo, mas também dizer o que cada usuário conseguirá fazer dentro dele. Com o G Suite, a “separação” desses recursos está limitada a escolha da licença que o usuário irá operar.
  • Nas duas plataformas as aplicações podem ser utilizadas tanto offline quanto online, porém com a Microsoft você acaba possuindo um universo maior de possibilidades. Isso considerando principalmente a utilização para o mundo corporativo, ao ter nas mãos diversas ferramentas que já estão disponíveis desde as licenças mais simples da solução, como, por exemplo, o Sharepoint, Teams, Vídeo, Yammer, etc. Além disso, as aplicações presentes no 365 e que também operam offline, tendem a ser mais robustas, com uma possibilidade de edição maior. Um ponto positivo para a Google é que, talvez por apresentar soluções sem tantos recursos quanto o 365, elas acabam apresentando um tempo de resposta aos comandos um pouco maior. Ou seja, lado a lado, o 365 pode parecer mais lento, mas, na prática, nada que transforme a experiência do usuário negativamente.
  • Agora falando sobre colaboração em tempo real, a Google, que já nasceu com essa proposta, sai na frente com uma melhor dinâmica para trabalho em grupo. Ela disponibiliza, por exemplo, um chat “standalone” durante a edição de um arquivo, para que os colaboradores possam conversar sem precisar inserir anotações diretas no documento. Ou seja: Os usuários podem conversar em tempo real utilizando o chat e através de uma janela separada. Claro que com a Microsoft você pode utilizar o Skype for Business para atuar de forma semelhante, mas pode ser mais prático operar tudo no mesmo espaço.
  • Para a solução de e-mail, a Microsoft oferece o acesso tanto online quanto offline, com uma aplicação bastante robusta para apoiar o usuário, ao passo que a Google apresenta a solução apenas online. Inclusive caso queira utilizar alguma ferramenta offline para gerenciar a conta do Google, teria que recorrer a um software de terceiro como, por exemplo, o próprio Outlook. Curioso, não?

 

E então? Qual devo escolher para o meu negócio?

Parar para falar sobre todos os pontos, considerando semelhanças e diferenças, seria algo realmente maçante. A lista é longa e cheia de detalhes, principalmente se considerasse detalhes mais técnicos. Então, para fechar com uma conclusão bastante direta, a melhor solução para o seu negócio ao considerar todos os prós e contras, é a seguinte: Depende! As duas soluções oferecem uma gama de possibilidades que atendem com segurança a maior parte das necessidades que você vai ter. Principalmente se estivermos tratando de um meio corporativo.

A Microsoft nos oferta uma solução extremamente completa, com aplicações que atendem basicamente qualquer situação que você tiver. Seja online ou offline, a suite conta com ferramentas cheias de recursos e que tem o objetivo claro de atender os gestores tanto no quesito economia de tempo quanto de recursos financeiros, uma vez que a licença, ao considerar o recolhimento de impostos, se torna mais barata que a concorrente Google. Um exemplo bastante interessante ao considerar o foco que a Microsoft dá ao cliente, é a possibilidade das empresas que optam por ela como ferramenta de colaboração, seja por meio do Office 365 ou Azure, terem mais de um parceiro envolvido nesse atendimento e sem qualquer custo extra atrelado. Podem, por exemplo, ter um parceiro de quem comprarão as licenças e outro dedicado exclusivamente para o atendimento técnico, via registro de parceiro digital (DPOR – Sobre esse ponto podemos tratar em outro momento)!

Mas se você busca por uma solução mais simples e que nasceu para funcionar quase que exclusivamente online, o G Suite é uma boa opção! Apesar de ser mais cara*, ela irá atender bem principalmente as pequenas e médias empresas, que buscam por colaboração através de recursos enxutos. É uma excelente ferramenta que apresenta soluções pensadas diretamente para um contexto Cloud e que, com o tempo, acredito fortemente que poderá alcançar a Microsoft oferecendo uma gama de ferramentas tão completas quanto a gigante das janelas. Mas, por hora, fica atrás principalmente quando pensamos em cenários mais complexos.

Então, para fechar, me coloco à disposição para qualquer dúvida! Esse é e sempre vai ser um tema com muitos pontos abertos à discussão e nunca vai existir uma solução perfeita, que agrade todos os usuários e não tenha falhas. Para encontrar a melhor solução, a forma mais fácil vai ser sempre a busca por informações e a troca de experiências entre nós, usuários! E por aí? Qual suite estão utilizando hoje?

*A carga tributária considerada deve ser impostos (algo em torno de 52% em cima do valor final) + conversão do dólar. Com isso em mente, faça o cálculo!

 

Rafael Correa

Account Manager da Teltec Solutions

 

Google ou Microsoft

Categorias



Acompanhe nossas novidades nas redes sociais!